Agenda Queer: semana tem ‘Tom na Fazenda’ e festival de arte erótica

Kinasta Elphine
Kinasta Elphine
7 Min Read

A Agenda Queer lista quinzenalmente as principais atividades culturais com temática ou voltadas para o universo LGBT+ da semana, no Rio de Janeiro e em São Paulo, para que nenhum leitor perca os melhores eventos das cidades. Confira a seguir!

“Ensaio sobre a Perda”

Oito meses depois de se separarem, os atores Gustavo e Hamilton recebem um comunicado de que foram contemplados em um edital no qual se inscreveram quando ainda eram casados. Apesar do término turbulento, eles decidem retomar o projeto, no entanto, quando começam a ensaiar a peça, percebem que as feridas que foram abertas ainda não estão cicatrizadas.

Assim se desdobra “Ensaio sobre a Perda”, comédia dramática que fica em exibição no teatro Glaucio Gill, em Copacabana, até o próximo domingo (25). Com direção de João Fonseca, o espetáculo é uma criação de Herton Gustavo Gratto, que o encena com Hamilton Dias.

“Nosso intuito é convidar o público a compreender diferentes formas de afeto através de uma situação de identificação universal que é a perda . Dessa forma, propõe-se um recorte da comunidade LGBTQIAP+ , a partir de um debate fundamental nos dias de hoje”, explica o diretor. Para viabilizar o projeto, a equipe criou uma campanha de financiamento coletivo. Para colaborar.

“Lugar de Fala”
O Instituto Yduqs promoverá, na próxima segunda-feira (26), a segunda edição do seminário presencial/on-line e gratuito “Lugar de Fala”. O encontro se propõe a combater o preconceito e contribuir com a conscientização sobre os direitos da comunidade queer, em diferentes painéis com a presença de especialistas convidados, que abordarão temáticas como: violência, manifestações, empregabilidade e empreendedorismo, direito e políticas públicas , além de celebrar o mês do orgulho LGBTQIAP+.

Aberto ao público, o evento será realizado a partir das 9h30, na Avenida das Américas, 4.200, no campus da Estácio Tom Jobim (Barra da Tijuca). Não é necessária inscrição prévia para participar presencialmente. Quem desejar acompanhar de forma on-line, o seminário será transmitido (ao vivo) pelo canal do YouTube da Estácio, instituição de ensino parceira do evento.

“Notas sobre a voz”

Na nossa sociedade, construída dentro do patriarcado, a voz masculina sempre foi a voz autorizada. Porém, não é toda voz masculina que tem livre expressão. A voz permitida tem cor e sexualidade: branca, hétero e cisgênero. E é nesse panorama que o solo teatral “Notas sobre a voz” se apresenta, questionando a identidade masculina.

Com texto e interpretação de Max Mendes, sob a direção de Cesar Augusto, o espetáculo conta a trajetória de três homens gays, que tiveram suas espontaneidades reprimidas na infância, o que reflete na fase adulta.

A peça, conduzida pelo narrador traz a trajetória de três personagens e é dividida em cinco partes: ruído, polifonia, grito, voz de peito e ecos. O espetáculo foi inspirado no livro de poema de mesmo título que Max Mendes lançou de maneira independente para ressignificar um episódio de silenciamento ligado à homofobia na infância. Com referências dos anos de 1990, o trabalho leva ao palco as dores das “crianças viadas” como forma de cura.

“Pelada – A Hora da Gaymada” é uma peça escrita por Eudes Veloso, com direção geral, direção de movimento e idealização de Orlando Caldeira e direção musical e trilha sonora de Muato, que traz na raiz o tom de comédia para contar uma típica história do subúrbio carioca.

Do cruzamento da clássica pelada heterossexual com a “gaymada” (adaptação do tradicional “jogo de queimado” pelos gays periféricos), a montagem apresenta os bastidores da disputa de dois times pelo uso do Campo do Furão – um campo que existe, de fato, em Olaria – antes que uma empreiteira o compre.
Um embate entre o conservadorismo de um campo tradicionalmente de futebol e o desejo da realização do primeiro Campeonato de Gaymada em Olaria. O espetáculo ficará em cartaz às quintas e sextas-feiras, sempre às 21h.

“A gente escolhe, a partir do riso, mostrar o ridículo do ser humano. Nesse caso, estamos falando do ridículo desta heterossexualidade que precisa ser revisada e que só atrapalha o desenvolvimento pessoal de cada um, inclusive do homem hétero a expressar suas subjetividades. E como este comportamento também é violento com o corpo da mulher, do gay e das pessoas transexuais, escolhemos o riso para mostrar o ridículo e fazer esta análise”, antecipa o diretor Orlando Caldeira.

Rolé Carioca LGBTQIAP+

“A gente escolhe, a partir do riso, mostrar o ridículo do ser humano. Nesse caso, estamos falando do ridículo desta heterossexualidade que precisa ser revisada e que só atrapalha o desenvolvimento pessoal de cada um, inclusive do homem hétero a expressar suas subjetividades. E como este comportamento também é violento com o corpo da mulher, do gay e das pessoas transexuais, escolhemos o riso para mostrar o ridículo e fazer esta análise”, antecipa o diretor Orlando Caldeira.

Rolé Carioca LGBTQIAP+

A cidade do Rio de Janeiro é reconhecida por sua diversidade e acolhimento ao público LGBTQIAP+, mas as histórias de luta e resistência dessa comunidade são muitas vezes inviabilizadas. A luta por direitos e pela conscientização social ainda é urgente e segue ativa.

No Mês do Orgulho, o Rolé realiza seu primeiro passeio temático do ano, com um itinerário por lugares de memória e resistência da comunidade queer na Cidade Maravilhosa. O roteiro segue pelo centro do Rio e passa por lugares importantes para a história e memória da comunidade LGBTQIAP+.

O evento é gratuito e não é necessária inscrição. O ponto de encontro é às 10h, na Praça Tiradentes. Nessa edição, a equipe de professores do Rolé recebe o reforço de Wescla Vasconcellos e Vahnessa Musch, pesquisadoras LGBTQIAP+ que valorizam as narrativas de representatividade pela cidade a partir de grupos minorizados. Ao final do passeio, performances de coletivos LGBTQIAP+ serão realizadas.

Share This Article